MTur acompanha viagem a bordo de navio da MSC pelo litoral do Sudeste

Spread the love

Os enormes transatlânticos voltaram a navegar pelos mares brasileiros, oferecendo cabines confortáveis, entretenimento para todas as idades, destinos diversos e protocolos rígidos de biossegurança contra a Covid-19. Nesta semana, a Agência de Notícias do Turismo embarcou no Seaside, da MSC Cruzeiros, que está pela primeira vez no Brasil, para acompanhar a experiência dos viajantes.

A temporada de cruzeiros começou em 5 de novembro no país e vai até abril de 2022. Serão cinco navios, que percorrerão sete estados e 14 cidades. “Essa é uma equação de sucesso. Traz de volta o fiel público da experiência marítima e também atrai novos turistas, que estão buscando opções seguras. Abrimos uma excelente oportunidade ao Brasil, com capacidade de movimentar R$ 1,7 bilhão na nossa economia”, celebra o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

Com capacidade para abrigar mais de 5 mil hóspedes, o Seaside, um dos navios mais tecnológicos da temporada 2021/2022 no Brasil, tem diversas opções de lazer: piscinas, teatro, shopping com lojas famosas, áreas de jogos, espaços kids e teens, academia, SPA e palcos externos, onde acontecem shows musicais diariamente.

“Estamos, pela primeira vez, com esse navio no Brasil, oferecendo o que há de mais moderno em termos de conforto, tecnologia, infraestrutura, diversão, muitas áreas abertas e com protocolos rígidos para garantir segurança e saúde. Venham se divertir, relaxar, conhecendo o melhor do Brasil a bordo dos navios”, convida o presidente da MSC Cruzeiros, Adrian Ursilli.

O minicruzeiro de três noites e dois dias acompanhado pelo MTur tinha pouco mais de 3 mil hóspedes. O embarque ocorreu em Santos (SP), com destino à paradisíaca Ilha Grande, em Angra dos Reis (RJ). Os protocolos de biossegurança definidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estão bem claros, desde a compra da viagem, e envolvem comprovação de vacinação há pelo menos 14 dias e teste negativo para Covid-19.

A paulista Luciene Silva, que curtia um cruzeiro pela primeira vez com o marido e os filhos, afirmou ter se sentido segura. “O que é pedido a bordo é para certificar realmente que não tem ninguém infectado no navio. É bem válido para que a gente se divirta bastante sem medo”, comentou.

PROTOCOLOS – As medidas sanitárias incluem, ainda, o uso de máscaras nas dependências do navio; higienização de mãos ao entrar nos restaurantes e atrações; horário marcado para usar algumas áreas de lazer, como banheiras de hidromassagem, e público restrito nos teatros.

Há também a realização de testes diários de Covid em tripulantes e passageiros. Ações estas que não afetaram a diversão, como conta a agente de viagem Vilani Oliveira, turista assídua de cruzeiros. “A gente está tendo que se adaptar a toda essa realidade nova e isso não impediu a diversão. Teve aeróbica na piscina, aula de dança, teatro, os jantares à francesa. Venham, vale a pena!”, recomendou.

O aposentado Antônio Duarte de Almeida embarcou no cruzeiro em companhia da esposa, da mãe, de 92 anos, e da bisneta, de 13 anos. “Estamos nos sentindo muito seguros, estou gostando muito. Aqui tem curtição para todas as idades, dá pra curtir à vontade, sem hora para terminar. Minha mãe está conosco desde a manhã, já são dez da noite e ela não quer ir dormir”, brincou.

TURISMO LOCAL – O navio parou por um dia, em Ilha Grande. No local, os turistas puderam desembarcar e aproveitar a vila, repleta de bares, lojas de artesanato e comidas típicas. Também é possível contratar passeios turísticos em lanchas ou escunas para conhecer praias e lagoas próximas, além de trilhas sinalizadas e cachoeiras em uma reserva de Mata Atlântica.

Amanda Salazar, superintendente de Desenvolvimento Turístico da TurisAngra (Fundação de Turismo de Angra dos Reis), destacou a importância da volta dos cruzeiros para a economia local. “Os cruzeiros deixam os bares e restaurantes lotados, os turistas acessam o comércio, o artesanato e fazem passeios. E ainda abre-se uma nova possibilidade de experimentarem um pouco a cidade e, depois, voltarem com mais tempo pra cá”, ressaltou.

O artesão Eduardo Dias, nativo de Ilha Grande, afirmou que o fluxo de turistas dos navios é fundamental. “Na pandemia inteira nós ficamos parados. Voltamos meio devagar e, com o retorno dos cruzeiros, estamos vendo aumentar 80% o turismo na ilha. Agora é recuperar a parte perdida”, comemorou.

A pedagoga Nádia Istschuk, que viajava com o marido e três filhos e adquiriu artesanato no local, comentou a experiência. “Quanta gente daquele navio, como nós, está aqui hoje movimentando isso tudo? Temos que ter todos os cuidados, mas a vida continua. E estamos gostando muito da experiência”, disse.

PROXIMIDADE – A volta dos cruzeiros também tem se tornado uma boa opção de turismo de proximidade, abrindo a possibilidade de os brasileiros conhecerem o próprio país.

A comerciante Iusi Roncoleta, que mora em São Paulo e já fez várias viagens de navio pelo mundo, enfatiza que nada se compara aos atrativos brasileiros. “Eu já fiz cruzeiro nos Estados Unidos, Europa, mas não tem igual às nossas praias. As coisas maravilhosas, nós temos aqui! Vim nesse, da Ilha Grande, para fazer um passeio de lancha, que é a coisa mais linda!”, exaltou Iusi.

Com o retorno dos cruzeiros, o Brasil passou a integrar o grupo de 50 países que já retomaram viagens do tipo. Os navios vão passar por cidades como Rio de Janeiro (RJ), Búzios (RJ), Cabo Frio (RJ), Salvador (BA), Balneário Camboriú (SC), Fortaleza (CE), Ilhabela (SP), Ilhéus (BA), Itajaí (SC), Maceió (AL), Porto Belo (SC) e Ubatuba (SP).

“Há roteiros para conhecer cidades lindas. O brasileiro tem que conhecer nossas incomparáveis belezas, e os cruzeiros são uma excelente opção”, conclui o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

 Crédito: Paula Rosa/MTur

By Julie Rocha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.